A visita à zona litoral da Figuira da Foz permitiu o acesso à zona intertidal durante o período da baixa-mar. Nesta zona podem-se fazer excelentes observações dos ecossistemas litorais e realizar observações, e eventuais recolhas criteriosas, de organismos como algas crustáceos, moluscos e equinodermes.
Em termos geológicos o Cabo Mondego, Monumento Natural, é um local ímpar para o estudo do Jurássico entre os 180 e os 140 M.A. No Dogger destaca-se a variedade e abundância de amonites enquanto, no que se refere ao Malm, o sublinhado é feito nos fósseis e estruturas sedimentares de grande valor paleoambiental. Na Murtinheira fica o que é considerado o melhor afloramento do mundo no que ao Bajociano se refere. É também bem conhecida, data de 1884, a referência às pegadas de dinossaurios nas falésias do Cabo Mondego.
A ilha da Morraceira permite a observação de avifauna e biodiversidade associada a praias vasosas. A visita ao Paul do Taipal constitui um momento ímpar para a observação de aves dada a sua abundância, biodiversidade. Nas imediações é imperdivel a visita ao sítio classificado de Santa Olaia e Ferrestelo dotado de interesse botânico e arqueológico assinalável.

Material fornecido pelos formadores

Reportagem Fotográfica


Localização - Cabo Mondego


Ver mapa maior

Localização - Paul do Taipal


Ver mapa maior

Documentos úteis relacionados com esta saída de campo

Documentos genéricos

Zona intertidal

Zonas Húmidas

Botânica

Geologia





História da Geologia em Portugal - com referência ao Cabo Mondego